sexta-feira, 18 de abril de 2014

A Educação o Conhecimento e o Educador


















                             14/12/2012


         Quando falamos que os alunos, que nos vamos educar, já vêem influenciados por uma mídia que muitas vezes só vêem o seu interesse comercial. E que o jogo da vida não interessa a não ser o produto a que se quer vender no momento.
         Esse aluno já vêem bombardeado de costumes recíprocos, em que eles andam de mãos dada com esses valores, e que passa a sensação de que a sociedade não contesta  esses mecanismos de comunicação que anda lado a lado com os valores capitalistas, e sua história de degradação da sociedade.
         Que aluno é possível formar, em vista que ele cresce numa sociedade às vezes alienada, dos valores contrários a formas de comportamento que contestam a ética e a moral. Sabemos que o conceito de escola, em que o aluno não vê mais a escola como antigamente em que a sua presença lhe garantia uma futuro melhor, não só isso; Mas a realidade não reflete essa expectativa de uma escola que não é atraente para os alunos, sejam crianças e adultos.
          Você sabe, que a nossa sociedade vive de renovar os seus meios de produção, segundo Karl Marx, em vista que esses meios não abrange toda uma sociedade, onde a maioria que não se encaixa, por tanto excluída fica a mercê no narcotráfico  e da prostituição, formando assim um exercito de reserva, típico da sociedade capitalista.
         Num mundo selvagem, do capitalismo e as crianças crescendo e vendo essa forma em que se vive, e um conhecido como Bill Gates, alegar que  por não se reprovar nas escolas, ela alegou que no mundo empresarial não há segunda chance, errou caiu fora, “Faça direito se não está despedido”.
         Não é o que acontece nas escolas hoje a reprovação foi extinta, o que tem é a dependência. Embora alguns sejam contra, pois alegam que estaríamos iludindo as crianças passando uma idéia falsa de uma sociedade que não reprova.
         Atualmente não se educa mais para a vida profissional. Na teoria é a chamada educação libertadora  de Paulo Freire, em que nos temos que ter o conhecimento para nos libertar das “amarras selvagens do capitalismo”. Não só nos libertar mas entender que o modelos atual das escolas estão ultrapassadas, ela não é atraente para o aluno e também em que tipo de sociedade vivemos.
         Quando de nossa formação para uma possível revolução, tão sonhada na educação, não nos falta  teoria, parece que o difícil é botar em pratica a ação aprendida nas universidades e faculdades.
         Os acadêmicos tem plena consciência de que algo esta errado, e precisa ser mudado. A perspectiva de melhora e para 20 anos. Hora um país onde a educação não foi prioridade na época da Colônia, não poderia ficar sem sentir os efeitos  desse problema, que acabou se refletindo no presente.
         O educador deve ministrar a aula com extrema maestria ser um incitador para a formação de futuros cidadãos, ele deve formular os planos de aula e fazer o possível para que ele seja seguido, como o planejado. Ele tem conhecimento da psicologia para que ele fique o mais perto do aluno possível.
         Ele  estudou Piaget, Vygotsky entre outros, com a mentalidade de que  usaria esses teóricos, ou pedagogos com a noção de que  serviria para ele por em pratica em sala de aula. E conhecer a formação da criança e suas fases de crescimento.
         Transforme a sociedade mostre que a educação, é o motor de uma sociedade justa e igualitária, que o Brasil possa ser grande crescer com maestria com crianças, alunos, para sermos um país melhor e organizado. Os conhecimentos estão ai ponha em pratica educador.      
Sebastião Pereira Viana Júnior
juniorcomunista@yahoo.com.br
(91) 8869-3808