quinta-feira, 12 de junho de 2014

Trabalho de: “Fundamentos Específicos Povos Ancestrais da America ” Professora:Ida Clara Guimarães Nogueira ; Turma: LHN 02 (Faculdades Integradas Ipiranga) Resenha elabora do trabalho dos Mexicas.



RESENHA ELABORADA DO LIVRO A COLONIZAÇÃO DO IMAGINÁRIO[1]
AUTOR: SERGE GRUZINSKI; SOCIEDADES INDIGENAS, E A OCIDENTALIZAÇÃO NO MEXICO ESPANHOL. EDITORA CIA DAS LETRAS. ASSUNTO HISTÓRIA. ANO DE PUBLICAÇÃO 2003. EDIÇÃO 1º.

                                                                            
                                                                              Sebastião Pereira Viana Júnior[2]
                                                                               Egildo Modesto da Costa[3]
                                                                               José  Ricardo Mouta Melo[4]
                                                                               Paulo Cristiano Borges dos Santos[5]
                                                                               Rosivan Almeida Pinheiro Júnior[6]
                                                                               João Gouveia dos Santos Feio Júnior [7]



28/05/2014


Tonalli, aculturação, resistência, intrínseca


A Idolatria Colonial

Pelo titulo entendemos que o imaginário indígena, e os contato com os espanhóis, causaram profundas mudanças, naquela inteligência, existia um coletivo que pensava de uma foram que foi brutalmente modificado, por ela Igreja católica e o governo espanhol.   
“(...). Ao longo da década de 1620, a população indígena do México central atingia seu ponto mais baixo, 730 mil pessoas representado apenas 3% do que fora na época da conquista” A exploração a degradação da natureza o desaparecimento das religiões vigentes e da cultura local em decorrente de uma expansão territorial selvagem, seria um sintoma mais evidentes da incontrolável decadência dos “Macechuales” (Na sociedade asteca, o macehualli (ou macehualtin, plural) eram a classe social que estava acima dos escravos , e foram hierarquicamente abaixo pipiltin ou nobres). Também a aculturação, e a imposição de um clero feros, que crescia a cada momento e diante de uma imposição de um Deus , no caso a trindade coisa que eles desconheciam, lembrando que eles estavam se extinguindo.

Aculturação
Oitocentos reguladores de clero 1559
1500  Indígenas por volta de 1580
Sobraram aproximadamente três mil em 1650

Podemos deixar uma critica aqui o autor usa o termo aculturação, mas segundo conta na atualidade, aculturação não existe ninguém esquece completamente a sua cultura e toma por completa a dos outros os que pode acontecer é uma fusão, uma transformação que ele vais interpretar do modo dele e adaptar a sua cultura, aquilo que ele acredita.
Esse triunfalismo da igreja foi marcado por sua vitória em vista de culturas em conflitos, vaio acontecer além de um massacre por intermédio de epidemias, pela aculturação, exploração cultural e pela cristianização. A perseguição dos “dogmatizadores” a destruição dos templos. A instancia da igreja conduzia uma ação tão sistemática quanto à inquisição costumava fazer.
Nesse momento a igreja sofria conflitos internos, e externos conflitos civis etc. E tendo que combater a retomada desses povos por suas religiões vigente. Por cinco anos seguidos, Hernando Ruiz de Alarcón foi encarregado pelo Bispo do México Juan Peres de La Serna de colher informações sobre os costumes pagãos. A investigação servia pegar todos os dogmatizadores,  eles detalharam com precisão as praticas dos pagãos, e suas idolatria, assim eles se referiam.
Suas visões sobre o paganismo no México era de que o paganismo tinha uma aparência cristã e de outro um enorme conjunto complexo, de praticas religiosas. “(...). A Nova Espanha apresentam um campo suficientemente diversificado para que possamos multiplicar os cotejos e adiantar algumas conclusões”
Existia uma variação muito grande de culturas diversificadas por um lado os CHONTALES e por outro os TLAPANECAS. (esses dois nomes se referem a cidades do atual México) Cada um com seus costumes de acordo com o clima temperado da região, a mortandade era muito frequente não podemos chamar de comum, a presença do clero também era eminente, no inicio do século XVII. 
“(...). A penetração variável da economia colonial com suas haciendas, a criação de gado e o cultivo da cana de açúcar  ou as minas nos arredores de Taxco, e Zacualpan (eram cidades)”. Existia toda uma cultura de crenças também o autor o essencial da existência indígena é entender o vocábulo e essa mística imaginação em crer em coisas fantasiosas. 
            Parece que havia ai um choque entre as religiões do clero e dos indígenas,mas precisamente dos MEXICAS, essa sincretização se tornava evidente  a medida que o estudo realizado ia se aprofundando. Havia uma preocupação em espionar a religião vigente.
Não podemos alegar aqui que o cristianismo na colônia estivesse legado apenas a um conceito ideológico de dominação, embora isso tivesse ocorrido ele se caracterizou também por rituais de gestos e costumes que vão da tradição até a nova geração de colonos. O AUTOR USA A PALAVRA INTRÍNSECA, para caracterizar essa religião como sendo algo de dentro das pessoas, por isso cultural.
Existiu um conflito por mais que brutal entre a colônia e os colonizados. Ele sita a TRIPLICE ALIANÇA, que respeitava essa diferença de culturas, diferente do cristianismo que impunha toda uma violência contra os índios e aniquilação dos cultos locais.  Além de eliminar os sacerdotes e parte da nobreza eles tomaram o monopólio dessa nobreza para si, uma violência que se estender da parte religiosa a econômica.
Com a ascensão do cristianismo, eles tomaram os antigos centros religiosos para impor  os seus cultos  com suas missas e festas católicas, e a construção de capelas.vale lembrar que eles demoliam os antigos templos dos mexicas. Os santos escolhidos substituía o CAPULTEOTL (era uma cidade).
“(...). vencidos esgotados pelas doenças os índios não dispunham de meios para recusar o cristianismo, que além disso lhes trazia rituais de substituição adaptados às necessidades de sua sobrevivência” também as cidades eram rebatizadas com santos católicos, dado significado de domínio cristão”.
Apesar dessa tirania da conquista e de um espaço cristianizado essa tendência foi diminuindo ao longo do tempo, “(...). Mas nem por isso devemos considerar que as massas estivessem completamente cristianizadas desde o século XVI”. O domínio publico tornou-se mais eficaz do que a cristianização logo que terminava um ritual da igreja homens iam tomar banhos seguindo anciãos e demais praticas e rituais indígenas.
A superação da língua ainda no século XVI, foi uma das barreiras vencidas pela igreja no entanto, o índio em si continuava com as suas praticas, mesmo que nos altares das casas indígenas tivessem os chamados santos católicos.
“(...). Ao impor um sistema de impedimentos canônicos e um costume matrimonial uniforme, a igreja rompia por toda parte praticas tradicionais de aliança”. havia uma luta ideológica entre igreja e os demais colonizados, não podemos dizer que a cultura local desapareceu completamente, mas o autor nos garante que ela foi alterada.
Podemos relacionar alguma mudanças no modo de vida daquele povo nessa citação: “(...). A introdução da pratica testamentária e da confissão e a difusão da propriedade privada e do trabalho assalariado semearam a longo prazo o germe de um individualismo inimaginável antes da conquista”
Percebemos nesse trecho que o capitalismo aqui se tornou eminente, pois era tudo o que os conquistadores podiam oferecer, morte, guerras, doenças e capitalismo, houve sim uma mudança , mas dessa para uma vida selvagem do capitalismo, aliado ao cristianismo católico que veio somar com essa mudança de mentalidade

Títulos, línguas


“(...).Os cestos domésticos lembram a TLAQUIMILOLLI de antes da conquistas, “pacotes relicários” que serviam para selar a aliança do pueblo (povo) com seus tutelares” essa citação remete a uma atividade cultural que era escolhido pelos familiares homens ou mulheres nesse caso não pela comunidade, isso foi mais uma prova da resistência cultural indígena, até porque segundo o autor é intrínseca .e que escapava da influencia da igreja católica.
Essa pratica levava a criança a fura a orelha, e ao seu tonalli que era a sua força que ligava diretamente ao cosmo, e lhe dava vigor calor e valor. “(...). O tonalli exercia dois efeitos consideráveis. A curto prazo garantia a sua sobrevivência e o crescimento da criança; a longo prazo influenciava sua personalidade”
Existia todo um ritual na doença caso a criança morresse na infância ou sobre a recuperação de uma pessoa doente, não era restrito somente a penetração do cristianismo, existia toda uma crença, oferendas na colheita etc. Que fazia desse povo, um diferencia na expansão do cristianismo.
  Ela encontra-se enraizado no seio da maioria das atividades indígenas,  que representa uma forma de resistência intrínseca “(...) Tudo o que se relacionava  à produção e à distribuição dependia da idolatria” eram atividades culturais baseadas nas crenças, e que o cristianismo não conseguis controlar.
Antes o indígena fazia da sua produção que não era o capitalismo, tudo uma base de rituais e crenças em seres sobrenaturais, curiosamente com o advento dos conquistadores  espanhóis, e de seu capitalismo,. O índio, também passou a fazer desse novo modo de produção, uma válvula de escape para o terror que estavam vivendo e passaram a cultuar as mesmas crenças nessas atividades.   “(...)... Ou seja, a idolatria não se limitava a preencher passivamente os vazios deixados pela penetração parcial do cristianismo”.
Os ritos culturais encontra-se enraizado na cultura indígena, é intrínseca, e a Igreja com o seu cristianismo não pode deter esses cultor, essa cultura que resistia, ao mesmo tempo sim se fundia como cristianismo causando  o sincretismo religioso. Que hora se confundia coma as praticas católicas, hora com os cultos e rituais indígenas.
Por um lado os indígenas acreditando nas forças espirituais, tudo relacionado as coisas que eles faziam; mas vale lembrar que esse é um momento novos porque eles estavam sob pressão da igreja do capitalismo, mesmo assim nesse meio de produção selvagens eles botavam toda  a sua crença, em rituais típicos de sua cultura, tudo que se relacionava a produção dependia da idolatria, se ele fazia alguma atividade ele fazia ao ritual religioso.  
Tudo isso alem da teoria de ser intrínseco, se dava também pela dificuldade das novas praticas de trabalho, da imposição dos espanhóis O autor fala a palavra SANGRIA, retirado dos indígenas isso quer dizer que eles eram violentamente explorados eram escravos, e o trabalho era pesado, a idolatria também pode ser considerada como um saber das populações indígenas, em vista  da nova forma de vida que eles tinham que aderir que era o ter que ascender por meio de lucros, conceitos típicos do capitalismo, no entanto caia numa ilusão acreditar nessa ascensão.
            “(...).. a luta contra a morte e a doença e os perigos do parto também eram pontos de fixação da idolatria, igualmente graças a homens e mulheres que conheciam as palavras e as plantas”. Parece que havia um titulo dado pelos espanhóis aos índio merecedor que era:

Indicação de status superior
Qualificado pelo dom espanhol
Don, na palou ou cacique
Existia títulos nobres entre os mexicas

Essas senhoras existia em maior quantidade do que os homens, que faziam adivinhações, achavam objetos mantém a estabilidade na casa e encontra a mulher sumida etc. Sua experiência se igualava a dos “médicos, adivinhos,sábios, feiticeiro”.

Cotidiano, classes

Os feiticeiros ajudaram o povo em seus problemas do cotidiano, de angustia, aflição etc. Aos olhos dos índios esses feiticeiros ou curandeiro não eram vistos com bons olhos, porque eles usavam os seus poderes místicos para se beneficiar, enrolar trapacear “(...).feiticeiro era heterodoxo para o cristianismo ou maléfico aos olhos dos índios”.
“(...), A idolatria fornecia uma resposta para a desgraça biológica e social, e a precariedade das condições de vida”. O trabalho era causticante em resposta vinha a idolatria que o autor no trecho a cima como sendo uma resposta a essa condição de vida que depois da vinda dos espanhóis mudou bastante e para pior. 
O NAHUALLATOLLI, que  era uma linguagem secreta, e esotérica,ela foi muito usada  para camuflar as suas praticas, e cultos em vista que a igreja perseguia. Também por intermédio desse XOXOUHQUI, que causava dores nos índios, eles faziam rituais para acabar com esse tormento, assim como a invocação a entidade para dar auxilio aos índios que combate.
            É certo que muitas rituais foram pegar do cristianismo alguns elementos, outros foram criados, principalmente com a vinda de animais, tudo o que eles não conheciam antes da conquista. As anciãs e velhos, assim como em casa e na comunidade, a tradição ao sendo transmitida de geração em geração, de pai pra filho. Nesse contexto, os EXTIRPADORES, sempre denunciaram as praticas e os complôs feito pelos índios.
            O NAHUALLATOLLI, é evidente de origem pré hispânica, ela estava paralela a religião cristã e aos letrados espanhóis a idolatria portanto era “popular”. Existiam pinturas feitas pelos índios, que os extirpadores confiscaram e o autor fala que era uma cultura em regressão, os saberes e as idolatrias, essa tradição teria sido mantida pela camada mais modesta da população “(...). plebeus, vendedores, ambulantes, e parteiras”
            Se o autor fala em regressão eu só posso entender de uma forma que o contado com os espanhóis, foi uma barbaria, não foi benéfico para os mexicas, eles partiram para um modo de produção predatória, por regressão eu entendo isso. 

Deuses e Sacerdotes

Os índios estavam relegados a uma vida em que alguns aderiram a cultura hispânica, outros preferiram atender os sacerdotes remanescentes. “(...). a influencia cristã e colonial teve um efeito apenas indireto limitando –se a desenvolver a democracia um mistura interna”.Ao TEOTLAHTOLLI “palavra dividida que contavam a origem do mundo e a gesta dos deuses, ainda tinha os TONALPOUHQUE; Que ainda contavam os dias dos calendários.
Eles estavam completamente na realidade que evocava, era aqueles que conhecia a terra dos mortos e o domínio dos céus. O Sacerdote , Senhor dos Encantamentos ou Príncipe das nauas (A escrita asteca (também escrita nauatle) é um sistema de escrita pictográfico e ideográfico pré-colombiano usado no México central pelos povos nauas).CIPACTONAL: O inventor do calendário pode ser identificado com CENTÉOTL deus do milho.

Deuses

QUETZALCOATL
XIPE TOTEC
CIPACTONAL
AXOMOCO
XOCHIQUÉRZAL
MICTLANTECULTLI: é o senhor da terra dos mortos
TEZCATLIPOCA: Poder supremo conhecimento dos signos e dos destinos


Divindades primordiais

Terra
Fogo
TLÁLOC deus tutelar do pueblo (povo)




“(...). Para tanto seria preciso atribuir aos deuses pré hispânicos uma personalidade uma individualidade que jamais tiveram”. YÁOTL, “o adversário” permite vencer um combate. Era o sacerdote que qualificava o conjurador como seres ou coisas aos quais se dirigia antes da conquista “(...). Ao receberem a denominação de TLAMA CAZQUE,  todos –homens, plantas, animais, instrumentos e ferramentas por eles utilizados”. Dela Serna confirmaque os TLAMACAZQUE de outrora eram divinos eram igualmente homens idosos.
            Curandeiros, feiticeiros eram considerados pagãos e foram todos condenados pelo cristianismo. Uma vez esses sacerdotes considerados a sua natureza divina eles podiam fazer mais variadas coisas condenar, destruir, apaziguar, repelir etc. Existe os mais variados contos que nos podemos chamar mitologias que por intermédio dos sacerdotes davam uma realidade aos índios.

Parentescos, Praticas no cotidiano, idolatria

As relações  de parentesco vincula deficiência e respeito, isso na sociedade de antes da conquista. Termos como MACECHUAL, empregado em seu sentido pleno e as palavras TECUHTLI, DILLI, TLAÇOPILLI, que aplicavam tanto para deuses como para planta e animais. “(...).Assim o conjurador manda o OLOLIUHQUI, um alucinógeno poderoso cosolar seu vassalo que em troca irá trabalhar para ele e varrer para ele”.


Palavras meu pai  (nota)
Minha mãe (noman)
Ou meu pai e minha mãe (nota noman)


Designavam potenciais divinos, tios e irmãs mais velha tende a ocupar posições antitéticas, é preciso reconhecer confirmar a profunda ambivalência dos seres e das coisas que povoavam a realidade indígena. CICHUATL: mulher designa um vasto domínio feminino que inclui irmã mais velha e mãe. TLAMACAZQUI:conjunto masculino ou não associados a (tio) mas também se aplica a divindades primordiais (como fogo).
O conjunto recorre a uma divisão sexual os sacerdotes são: TLAMACAZQUE  CIHUATLAMACAZQUE. Tudo isso constitui uma idolatria é bom lembrar esses aspectos. “(...). Constata-se então que a idolatria colonial evoca modelos eminente contestados pela dominação espanhola e pela cristianismo. Quer se trate das hierarquias das nobrezas e títulos indígenas”.
O titulo (TLATOANI) foi banido pela coroa e o de TECUHTLL (chefe) foi caindo em desuso, e os sacerdotes perseguidos desapareceram de sua forma antiga. Havia toda uma organização familiar já havia famílias cristãs as famílias nucleares na fixação entre parentesco por aliança igualdade entre primogênitos e caçulas.Existia monogamia e o papel dos tios tendia a diminuir por impedimento canônico.
“(...). O que não significa que a sociedade antiga tenha sido riscado do mapa”. Pouca que é esquecido o modo como os índios aderiram ao estado que estava sendo formado, os seus modos culturais não desapareceram completamente, mas tiveram que ser reinventados  diante dos espanhóis e do cristianismo, a idolatria permanecia nesse novo mundo, mas dessa vez sincretizada com o cristianismo e o capitalismo selvagem.
“(...). Uma antropologia dos sentimentos mostraria que a idolatria que o sacerdote coloca em jogo estados afetivos e reações psicológicas que são parte integrante da existência indígena”.
A idolatria se insere profundamente no terreno afetivo daquele catolicismo, também envolvia as doenças a caça a pesca, até mais do que os próprios mitos correspondia de suas vidas. O conjunto das ligações entre forças e coisas paralelas a idolatria, está as praticas cristãs que tenta explicar diversas coisas que está  relacionado no cotidiano, uma deles é o livre arbítrio.
A mácula náutle – cobre a ideia poeira e sujeira, o erro de um pode colocar  a unidade domestica e o grupo inteiro, entre outros também pode ser entendido como a personificação do mal. GONZALO AGUIRE BÉLTRÁN: chamou a atenção para a dependência na etologia naua das doenças, os índios acreditavam que ocorre trocas ou conflito entre divinos anônimos. (TLACATL, a pessoa  MAHUIZTLI, o maravilhoso e terrível) .
Eles temiam diversas coisas, que poderia acontecer referente a seus deuses entre elas a perda do RONALLI, que já falamos anteriormente. “(...). A noção (cristã) de pecado de macula moral do ser não funciona aqui”. O curandeiro assume o papel de insubstituível diante de tanta idolatria   nesse cotidiano cheio de crenças.
O curandeiro oferece interpretação as relações sociais valendo-se de todos os meios oferecidos pela idolatria ele é um agente de controle esporádico. “(...). Ela é muito mais do que isso pois afunda a representação de real e a manipulação da realidade assim concedida”. E também ocorre uma atividade intelectual já que ocorre uma interpretação, uma versão do que o curandeiro está fazendo diante de seu cliente.
Essa idolatria passa por diversas técnicas, as mais variadas no cotidianos dos mexicas, desde a previsão do futuro até a previsão de signos etc.Os rituais como os caçadores, pescadores que gritavam e gesticulavam também era ligado a idolatria, como a preparação  dos materiais de caça, pesca e plantação , em fim as mais variadas atividades dependente da etapa distinta. E sucessivas de recitação dos conjugues. Existia todo um ritual e um procedimento material envolvendo esse cotidiano fantástico.
“(...). A idolatria é também uma panóplia, (Conjunto de elementos reais ou abstratos, usados para a mesma finalidade).muitas vezes rústicas e banais como cabaça cheia de água grãos de milho e de copal”. A idolatria n]ao é como o cristianismo, nela busca-se a realização material para uma  bem sucedida vida  e materialista. É o que se deu a entender, mas o autor coloca que ela não é igual ao cristianismo e os evangelizadores, ela compõe colocar-se a sua fé em todas as praticas cotidianas da vida, os mexicas acreditavam que tudo dependia dos deuses por isso impunham as suas crenças e praticas nos deuses.
“(...). A idolatria não requer a adesão pessoal ela enreda a todos num entrelaçamento fluido de dependências dádivas e sacerdócios multiplicados  ao infinito”. A idolatria não pertencia ao cristianismo não existia essa pratica acredita que as coisas do cotidiano que tenha que ter um ritual para tudo, é uma identidade particular na vida dos mexicas, isso se mostra nas pinturas, nas pirâmides etc.
 
IDOLATRIA EM QUESTÃO

O autor fala muitas vezes que o cotidiano mudou, outras que foram um século de dominação e cristianização logo o cotidiano mudou, mas ele diz que serviu para garantir uma clareza de raciocínio que nos acreditamos sendo do raciocínio dos mexicas. Mas ele atenta de que nos não podemos cair em um erro a qual foi cometido por autor pesquisadores que foi acreditar que os mexicas viveram depois da conquista intocáveis em sua cultura por tanto ele confirma que houve uma aculturação cristianizada, houve sim uma mudança e até eles aderiram ao cristianismo mesmo que pela força.
Parece que o etnocentrismo, se fazia na igreja católica já naquele tempo, nesse momento eles acreditavam que os outros povos tinham que aderir a sua crença ligada ao cristianismo. “(...). Devemos igualmente evitar o excesso oposto, isto é, considerar a idolatria como mero amálgama  (AMÁLGAMA: Fig. Mistura de pessoas ou coisas heterogêneas, confusão: um amálgama de cores). de supertições, encavalamento de desvio de espírito ou de vícios do paganismo”.
A idolatria como ele coloca nos devemos renegar, ela atrasava a produção e invenção de novas técnicas, porque tudo era atribuídos as crenças,  e os problemas sociais, fome, miséria, problemas na colheita, foram agravados pela dominação espanhola, eles não vieram para melhorar mas para dominar.  Com a conquista, as escolas que eram chamadas de TELPOCGCALLI (escolas) foram sendo destruída assim com  a classe dos sacerdotes dos mexicas foram caçados.


Derrocada da idolatria, sincretismo, arte

“(...) O milho e o pulque  são alimentos, tanto quanto parcelas do poder divino.”
É importante lembrar que em tudo acima para que a idolatria se manteve, mesmo com o fim das instancias dos sarcedotes em fim do sistema que mantinha toda uma função cultural. Também caímos no risco de acreditar que essa idolatria remanescente fosse das classes populares, o que pode não ser, acreditasse que era por conta  de nobres mexicas.
Essa modificação cultural da idolatria pode ter afetado também as práticas “(...) os índios do povo buscam nela meios para uma ação eficaz sobre os seres e as coisas”. Mas muitos saberes se perderam junto com o trágico fim dos sarcedotes tradicionais, assim como a busca pela recuperação do TONALLI extraviado em ritual parece ter perdido o sentido até par aos índios.
“(...) não há mais índios que compreendam o CÔMPUTO CERIMONIAL nem que saibam quando começa ou acaba o ano.
A idolatria teve que se adaptar como o autor exemplifica no caso dos curandeiros que iam para o convento atender as freiras. “(...) ainda que adorassem ídolos, visitassem as grutas, encomendassem sacrifícios de crianças ou deixassem tomar por um pânico coletivo”.
As idéias do autor oscilam muito, percebemos que hora ele fala que a idolatria sofreu conseqüências profundas de mudanças, inclusive de “aculturação” e hora ele fala que ela resiste. Isso ele se refere ao século XVII, especificamente nos campos  de MORELO e de GUERRERO, mas a idolatria podia coexistir o que fazia na década de 1570 ma grande preocupação da igreja “(...) eles acreditavam em Deus ao mesmo tempo que praticavam seus costumes antigos e os ritos do demônio”. Para DE LA SERNA, até avaliou os índios como: Querem poucos cristãos, mas na verdade são idólatras, mas não podemos esquecer dessa visão etnocêntrica de DE LA SERNA até por que era índios que ele perseguia. “(...) Querem na maior parte do tempo em suas invocações, curas e superstições, imitar os ministros da Igreja e usurpar mais funções”.
(vou iniciar a página 264)
Os Santos Católicos tinham sido inseridos na categoria de que tinham que ser temidos, esses procedimentos de inserir elementos novos chama-se organização autóctones. A idolatria estava pronta para anexar novos rituais, novos ritos, havia toda uma anexação de santos católicos aos desses mexicas.

DIVINDADE DO FOCO – VELHO XIUHTECUTLI também chamado de XOXEPTZIN = São José. XIMEONTZIN = São Simão
ESPÍRITO SANTO = Forma de “PÁSSARO O ESPÍRITO IN TOTOIL IN SPIRITO.

Mas nesse caso de espírito santo, ele atacam o doente para torná-lo impuro no início do século XVII a idolatria tinha um caráter diabólico. Mas havia um culto a Maria, uma invocação a Santo “(...) Assim o conjurador implorava a virgem. Seja minha mediadora, pois muitas das coisas que criaste se perdem”.
5. A CRISTIANIZAÇÃO DO IMAGINÁRIO
Havia um choque religioso, a realidade indígena era uma a do cristianismo era outra, no momento em que o cristianismo é implementado a realidade vai se modificando.
Inicialmente os índios acreditavam que Cartés era o deus QUETZALCOATL, mas na questão de ver os religiosos a encarnação dos monstruoso TZITZIMIME que eram as criaturas de seu apocalipse. E os colonizadores e religiosos não hesitaram em enxergar as manifestações dos deuses mexicas como sendo as manifestações múltiplas de satanás “(...) de modo que longe de ser completamente negada uma parte das culturas indígenas representava para os religiosos, a realidade ameaçadora e negra do demônio”.
O autor diz que não significa que o sobrenatural de um tenha virado o diabólico de outro, mas ela igreja exclui o estudo em geral as culturas indígenas tinha um significado decisivo (sonho, alucinação, embriagues) uma vez que eles se mostravam hábeis em decifrar sonhos.
Parece que houve uma mistura relacionada as divindades cristãs e mexicas, o autor não fala em sincretismo.

MICTLÁN NAVA – INFERNO CRISTÃO
CEU CRISTÃO – ILHUICATL
DEUS – OMMETÉOTL
TONANTZIN – VIRGEM MARIA

No caso de TONANTZIN que era denominar deusa mãe, entre outras que eles compararam termos parecidos com seus Santos Católicos, eles deram essa designação.
Foi essa espécie de fusão que os franciscanos ao ensinar o latim faziam ou dava-se a entender essas comparações. “(...) sabe-se que alguns evangelizadores apresentavam os seus ensinamentos com quadros sobre os quais faziam comentários”
Os ensinamentos ocorriam em pleno século XVI em capelas poucos ornamentadas nas igrejas e índios que freqüentavam essa forma de educação imposta pela igreja.
Vários índios começavam a pintar artes de que a igreja lhes ensinara, foram muitos que seguiram  esses passos, e inclusive produziram e difundiram pinturas flamengas e espanholas, até no povoado vizinho de TLATELOLCO houve uma corrente que seguia. Foi um entusiasmo pelas representações européias.
Essas artes preocuparam o Arcebispo do México, por acreditar que para haver uma mistura de fé e paganismo os mexicas estavam transformados e faziam as pinturas cristãs, mas não abandonavam a idolatria ao mesmo tempo que pode ter havido acreditar na comparação e mistura da realidade européia com a realizado mexica. Isso era a inquisição de olho nos indígenas, dizem que beirava a heresia.

 ____________________________________________________________________
Nossa Senhora, Deus e Curandeiros Espanhóis

A obra de Virgem Maria de Guadalupe obra de Miguel Sanches, segundo ele a virgem teria aparecido em 1531 na colina de Tepeyac a um índio chamado Juan Diego, ela teria dito para ele colher flores e levar para o  bispo do Méxixo quando ele abria a capa que envolvia as flores a imagem da Santa teria aparecido.     “(...) a partir de então os escritos, os sermões, os sonetos e os poemas consagrados a Guadalupe alimentavam o embrião de um nacionalismo crioulo”.
Então percebemos que nesse momento houve uma consagração ao catolicismo, ao cristianismo, e a Virgem Maria. Parece que a investigação de 1666  entre as manifestações deixou em vigor que a igreja tentou recuperar o controle sobre as aparições mariana.  “(...) é digno de nota que como títulos primordiais, a igreja tratasse de forjar um passado, de cuja autenticidade também estava convencida”.
Quer dizer a igreja refez uma possível história de um possível milagre de uma santa, mas que ela mesma enquanto instituição igreja era crente do que contava ter acontecido. “(...) os dois padres estabeleciam uma memória e apresentavam os fundamentos de uma entidade para uma nova sociedade”.
Então percebemos que a igreja naquele contexto fazia o papel de forjadora de uma identidade social nova, uma transformadora social em vista daquilo que ela acreditava ser sociedade. Era o seu mundo sendo colocado para outras pessoas.
Mesmo assim, a devoção a virgem de Guadalupe ocorreu contra pelo menos metade da igreja. Mas no século XVII a devoção e os milagres espalharam-se por todas as classes sociais.
Não devemos esquecer que a virgem de TEPEYAC apareceu para um índio deixando um recado e esse acontecimento se expandiu, não foi um caso isolado, em 1576 e 1580 virgem apareceram para índios de XOCHIMILCO e de TLATELOLCO.
Também acontece de num traslado, os índios terem visto os braços do crucificado se mexerem, o fantástico imaginário cristão estava se solidificando com o mundo dos índios.
Nessa visão, do cristo, uns pensam que estava vivo e que os abençoava, outro que era o herdeiro Cristo... enfim, o mundo cristão estava instalado na cultura México.
Curioso nas voltas que o que procurava a igreja agora não era o paganismo, a idolatria, mas com possíveis desvios da exaltação religiosa “(...) na década de 1580, existia entre os índios de México e dos arredores uma receptividade ao milagre que já não era de caráter individual, mas coletivo”.
Como o autor deixa claro, o sagrado e o sobrenatural dos vencedores se enraizaram na sociedade indígena principalmente na primeira década do século XVII.
Parece que a ordem católica se instalou nessa sociedade, uma ordem cheia de dogma e sacramentos e hierarquia, complexa num primeiro momento, mas ao cansaço e os acontecimentos dos sobrenaturais envolveram os índios de tal maneira que eles incorporaram o mundo cristão e seus Santos.












TRIBUNAL DO SANTO OFÍCIO – 1571
CHEGADA DOS JESUÍTAS – 1572
III CONCÍLIO MEXICANO – 1585
CLERO DE 800 PARA 3000 – 1559 E 1650
PADRES SECULARES DE 158 PARA 451 – 1575 E 1622

Com todo esse poderio evangelizado, e um enfraquecimento e desorganização da sociedade indígena seria evidente uma projeção mais elevada da “IGREJA BARROCA”, e a ascensão da nova Espanha.
Em vista que a população indígena deixava as suas cidades e seu povo atrás das cidades com população branca e mestiça, o vice reino tinha 17 mil indígena e outras que atraíam cada vez mais milhões de índios para essas cidades colonizadas.  “(...) cada vez mais em contato com os espanhóis e os mestiços eles eram levados a se integrar ainda mais a uma religiosidade coletiva e plausiétnica pontuadas pelas grandes procissões anuais”
Muitas transformações ocorreram nessa colônia, principalmente no campo econômico e religiosos , se por um lado a economia indígena era sujada causando pobreza onde já existiam homens brancos pobres, assim como indígenas mendigando.
Todos iam de encontro as celebrações da igreja, que eram construídas no lugar dos conventos, parece a necessidade que igreja tinha em conquistar novos fiéis estava se concretizando, já que a reforma protestante trouxe muito prejuízo para esta instituição. Também aliado a isso está o grande número de acontecimentos sobrenaturais que envolvem esse cotidiano.
Nesse cotidiano houve muita narração de acontecimento, que arrastavam populações inteiras e muitas delas o estado de depressão e excitação extremas.
A missão jesuíta referente aos mexicas tinha por objetivo integrar os mesmo na lógica do catolicismo em que o purgatório não era falado muito como penitência para o cristão, mas eles queriam salvar as almas agora, para que os índios possam se tornar cristãos.
Houve uma crise da idolatria em vista que a empresa catolicismo ascendia, em meio que os índios não tinham resposta para os acessos delirantes as prisões alucinatórias de perseguição.
Mas o autor deixa claro que não podemos negar a clareza das manifestações indígenas referente ao espiritual. As práticas estavam enraizadas na cultura dos mexicas, práticas, cultos e o tribunal do Santo Ofício procurava mais conter do que extirpar.
No mundo cristão vinha a figura de Deus e da Vigem Maria. “(...) em momento algum a dominação da igreja chegou a ser ameaçada”. No entanto ela encontrou em solo americano os seus adversários, judeus, hereges. “(...) é sempre bom lembrar que para os índios em geral o cristianismo era tanto o dos padres quanto as versões que lhes ofereciam os índios de igreja”
Percebemos que havia os índios de igreja, e isso já era uma mudança favorável ao que a igreja queria que era o controle dessas pessoas.
Nesse mundo é bom falar que, espanhóis, negros, mulatos e mestiços, praticavam a adivinhação, mas não se igualava a idolatria e ao cristianismo eram práticas que foram se desenvolvendo de forma desordenada bem crítica.
Também é bom ressaltar que as práticas e idolatrias persistiram numa sociedade complexa e hierarquizada como sendo uma resposta a essa condição dominadora de espanhóis e da igreja que ainda tinha uma grande camada de escravos africanos.
Nessa resposta a igreja das práticas, era porque ela igreja queria impor os seus Deuses e Santos, Deuses porque me refiro a Deus e Jesus dos Santos, então por meio da resistência as práticas e cultos mesmo sincrética permanecia.
Os índios estavam realmente numa cruzada, por um lado a igreja condenando, perseguindo as práticas por outro autorizando as práticas de curandeiros espanhóis, houve então uma desorientação. “(...) e os índios, a desarticularem na percepção do mundo nesse conjunto de crenças, espaços e contraditórias que refletem o surgimento de uma sociedade inédita”.



CONCLUSÃO

Percebemos que as sociedades que entraram em choque a européia e a que se denominava mexicas vieram carregada de cultos, crenças, idolatria de ambos os lados, havia três segmentos nesse campo que era o governo espanhol interessado na economia; a igreja que vinha de uma derrota para a reforma embora o autor fale apenas uma vez nesse momento e o império Asteca “mexicas”.
O autor não fala no sincretismo, mas fala muito em uma espécie de mistura de cultos e crenças com os índios e os católicos. Também fala na força do Governo Espanhol e da Igreja Católica nessa cruzada estava os mexicas que recebem toda essa carga.
Até na guerra as mexicas o viam de outra forma enquanto os europeus faziam a guerra total, eles eram para pegar prisioneiros para o sacrifício de seus deuses.
Dizer que aquela magnífica cultura foi extinta é um erro, ela não acabou, permanece até hoje, a religião católica veio e se instalou somado com muitos segmentos da idolatria. E vale lembrar que o termo idolatria é parte pelo autor como uma visão etnocêntrica da igreja.


























Bibliografia:

Serge Cruzinaki; Sociedades Indígenas e Ocidentalização No México espanhol. Editora Cia das Letras 1º Edição. 2003


[1] Resenha elaborada como parte Avaliativa para a B2.
[2] Alunos do curso de licenciatura  em História da Faculdades Integradas  Ipiranga, turma LHN02
3Professora: Ida Clara Guimarães Nogueira