quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Trabalho de: “Gestão de sala de Aula I” Professora: Fátima de Nazaré Pantoja Rezende; Turma: LHN 02 (Faculdades Integradas Ipiranga). A Função da Ciência Historia no Currículo Escolar.











FACULDADES INTEGRADAS IPIRANGA
 LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA


ANDERSON FERNANDO SILVA
DIEGO AFONSO DA SILVA ASSUNÇÃO
FRANCO COUTINHO LOBATO
                                         JOABH LEVY SILVA DE CARVALHO
JOEL CABRAL SILVA
SEBASTIÃO PEREIRA VIANA JÚNIOR




A FUNÇÃO DA CIÊNCIA HISTÓRIA NO CORRICULO ESCOLAR











BELÉM-PA
2013




FACULDADES INTEGRADAS IPIRANGA
LICENCIATURA PLENA EM HISTORIA

ANDERSON FERNANDO SILVA
DIEGO AFONSO DA SILVA ASSUNÇÃO
FRANCO COUTINHO LOBATO
JOABH LEVY SILVA DE CARVALHO
JOEL CABRAL SILVA
SEBASTIÃO PEREIRA VIANA JÚNIOR




A FUNÇÃO DA CIÊNCIA HISTÓRIA NO CORRICULO ESCOLAR



                                                                            Trabalho de Gestão de sala de aula. Apresentado
                                                                             ao curso  de história das faculdades Integradas               
                                                                             Ipiranga, como requisito parcial
                                                                             para obtenção do titulo
                                                                             Licenciado em História orientado pelo
                                                                             Prof. Fátima de Nazaré Pantoja Rezende 



BELÉM-Pa
2013


ANDERSON FERNANDO SILVA
DIEGO AFONSO DA SILVA ASSUNÇÃO
FRANCO COUTINHO LOBATO
JOABH LEVY SILVA DE CARVALHO
JOEL CABRAL SILVA
SEBASTIÃO PEREIRA VIANA JÚNIOR

A FUNÇÃO DA CIÊNCIA HISTÓRIA NO CORRICULO ESCOLAR



                                                                             Trabalho de Gestão de Sala de Aula apresentado
                                                                             Ao curso de História das Faculdades
                                                                             Integradas Ipiranga
                                                                             Como requisito parcial para obtenção do titulo de
                                                                             Licenciado em Historia. Orientado pelo Prof.
                                                                             Fátima de Nazaré Pantoja Rezende 

Data ____________________________________
Resultado_________________________________

BANCA EXAMINADORA                            
Fátima de Nazaré Pantoja Rezende                                               faculdades Integradas Ipiranga

Assinatura_____________________________________________


Fátima de Nazaré Pantoja Rezende                                                  faculdades Integradas Ipiranga

Assinatura______________________________________________






          







                                                      Dedicamos esse trabalho ao Senhor Todo-Poderoso.
                                                      Deus, a Jesus Cristo, e o Espírito Santo, que compõe
                                                      Mistério, o poder da Santíssima Trindade. E a nossa
                                                      Mãe Celestial e intercessora Nossa Senhora.
                                                      E a professora  que nos orientou com maestria 
                                                      Na elaboração deste trabalho.
























JUSTIFICATIVA


Apresentamos o trabalho referente ao curso de historia na disciplina gestão de sala de aula. Abordaremos o assunto em relação a TAXONOMIA DE BLOON, a qual ficamos incumbidos de abordar em nosso trabalho. Os principais tópicos da disciplina são a cognição, afetividade, e psicomotora, a qual o educador está envolvido nesse contexto junto com o aluno. Cada uma das teorias com o seu dado cientifico a seguir, e uma meta a atingir ou seja a capacidade de adquirir, e passar por etapas fundamentais para o desenvolvimento.
Uma  parte  com relatório (material escrito), e  no segundo momento em formato de Slide. Sendo que o relatório será entregue a professora. E o grupo de cinco alunos ira apresentar explanando os principais tópicos da TAXONOMIA DE BLOOM. Para os acadêmicos presente; O segundo momento será apresentado uma aula com conteúdo da 7º ano do ensino fundamental, como assunto xxx. Em formato de mini aula.
            As idéias referente a inteligência do aluno, e suas perspectiva e desenvolvimento na  aprendizagem escolar, é muito abrangente, e engloba os ais variados teórico em que o educador, tem por obrigação estar atento para essas idéias, na construção de um aluno novo que faça valer os seus direitos na sociedade, e com isso possa facilitar o trabalho do educador com base nas teorias. 
            A Taxonomia de Bloom, também pode ser considerada uma corrente ideológica criada para interpretar como se dá a aprendizagem, do aluno cientificamente. Que foi desenvolvida por vários cientistas dos EUA, o foco principal era esquematizar como se dá a aprendizagem doa alunos em seus convívios educacionais.
Nem sempre está claro para os educadores por que a História faz parte do currículo escolar e qual a importância da sua aprendizagem na formação do jovem. Mas essas questões são fundamentais quando se pretende refletir, repensar ou posicionar-se em relação ao ensino de História praticado.
De modo geral, o ensino de História pode ser caracterizado a partir de dois grandes momentos. O primeiro teve início na primeira metade do século XIX, com a introdução da área no currículo escolar. Após a Independência, com a preocupação de criar uma genealogia da nação, elaborou-se uma história nacional, baseada em uma matriz européia e a partir de pressupostos eurocêntricos. O segundo momento ocorreu a partir das décadas de 30 e 40 deste século, orientado por uma política nacionalista e desenvolvimentista.
O Estado também passou a realizar uma intervenção mais normativa na educação e foram criadas as faculdades de filosofia no Brasil, formando pesquisadores e professores, consolidando-se uma produção de conhecimento científico e cultural mais autônoma no país.
A História como área escolar obrigatória surgiu com a criação do Colégio Pedro II,em 1837, dentro de um programa inspirado no modelo francês. Predominavam os estudos literários voltados para um ensino clássico e humanístico e destinados à formação de cidadãos proprietários e escravistas.
            De um ponto de vista critico, o objetivo da ciência historia na grade curricular do ensino médio, é para primeiramente a formação, de um cidadão critico, que aprenda a respeitar a sua pátria, mas a conheça como parte integrante no cenário mundial. Está certo que a historia do Brasil não é das mais belas, ela pé bem dramática, mas quanto mais debatido for mais conhecimento teremos de nossas raízes. 
A TAXONOMIA DE BLOOM é uma corrente teórica, que aborda os devidos tema como a

Cognição: ligada ao saber
Afetividade: Ligada ao sentimento
A psicomotora: ligada a ações físicas

Benjamin Bloom

Pedagogo e psicólogo norte-americano, nascido em 1913 e falecido em 1999, lecionou na Universidade de Chicago onde desenvolveu investigações sobre os processos de planificação e avaliação no ensino. Teve uma influência decisiva na área das ciências da educação ao propor uma taxionomia dos objetivos educacionais. De entre as suas obras pode-se destacar: Human Characteristics and School Learning e Taxonomy of Educational Objetives.
A taxonomia dos objetivos educacionais, também popularizada como taxonomia de Bloom, é uma estrutura de organização hierárquica de objetivos educacionais. Foi resultado do trabalho de uma comissão multidisplinar de especialistas de várias universidades dos Estados Unidos, liderada por Benjamin S. Bloom, na década de 1950. A classificação proposta por Bloom dividiu as possibilidades de aprendizagem em três grandes domínios:

Sobre a cognição, ele se divide em 6 partes; conhecimento,compreensão,aplicação, analise, síntese,avaliação.   abrangendo a aprendizagem intelectual;

Sobre a área afetiva: está subdividido em 5 partes; recepção,resposta,avaliação,organização de valores. Internalização. abrangendo os aspectos de sensibilização e gradação de valores;

A área psicomotora: Bloom e sua equipe não pensaram numa taxonomia para a ares psicomotora. Mas Harrow em 1972, propôs uma, em seis níveis; reflexos,movimentos básicos,habilidades de percepção não verbal. abrangendo as habilidades de execução de tarefas que envolvem o organismo muscular.


O aluno para passar de estágios, é bom lembrar que ele precisa ter superado os estágios de aprendizagem anterior. Ele não é apenas um esquema, ele é uma estrutura hierárquica que se passa pelo desenvolvimento do aluno planejado

• Conhecimento – Refere-se à habilidade do Aluno / Formando em recordar, definir, reconhecer ou identificar informação específica, a partir de situações de aprendizagem anteriores;

• Compreensão – Refere-se à habilidade do Aluno / Formando em demonstrar compreensão pela informação, sendo capaz de reproduzir a mesma por ideias e palavras próprias;

• Aplicação – Refere-se à habilidade do Aluno / Formando em recolher e aplicar informação em situações ou problemas concretos;

• Análise – Refere-se à habilidade do Aluno / Formando em estruturar informação, separando as partes das matérias de aprendizagem e estabelecer relações, explicando-as, entre as partes constituintes;

• Síntese – Refere-se à habilidade do Aluno / Formando em recolher e relacionar informação de várias fontes, formando um produto novo;

• Avaliação – Refere-se à habilidade do Aluno / Formando em fazer julgamentos sobre o valor de algo (produtos, ideias, etc.) tendo em consideração critérios conhecidos.


Revolução Industrial


A Revolução industrial foi um conjunto de mudanças que aconteceram na Europa nos séculos XVIII e XIX. A principal particularidade dessa revolução foi a substituição do trabalho artesanal pelo assalariado e com o uso das máquinas.                                                                              Até o final do século XVIII a maioria da população européia vivia no campo e produzia o que consumia. De maneira artesanal o produtor dominava todo o processo produtivo.
Apesar de a produção ser predominantemente artesanal, países como a França e a Inglaterra, possuíam manufaturas. As manufaturas eram grandes oficinas onde diversos artesãos realizavam as tarefas manualmente, entretanto subordinados ao proprietário da manufatura.
A Inglaterra foi precursora na Revolução Industrial devido a diversos fatores, entre eles: possuir uma rica burguesia, o fato do país possuir a mais importante zona de livre comércio da Europa, o êxodo rural e a localização privilegiada junto ao mar o que facilitava a exploração dos mercados ultramarinos.
Como muitos empresários ambicionavam lucrar mais, o operário era explorado sendo forçado a trabalhar até 15 horas por dia em troca de um salário baixo. Além disso, mulheres e crianças também eram obrigadas a trabalhar para sustentarem suas famílias.
Diante disso, alguns trabalhadores se revoltaram com as péssimas condições de trabalho oferecidas, e começaram a sabotar as máquinas, ficando conhecidos como “os quebradores de máquinas“. Outros movimentos também surgiram nessa época com o objetivo de defender o trabalhador.
O trabalhador em razão deste processo perdeu o conhecimento de todo a técnica de fabricação passando a executar apenas uma etapa.

A Primeira etapa da Revolução Industrial

Entre 1760 a 1860, a Revolução Industrial ficou limitada, primeiramente, à Inglaterra. Houve o aparecimento de indústrias de tecidos de algodão, com o uso do tear mecânico. Nessa época o aprimoramento das máquinas a vapor contribuiu para a continuação da Revolução.





A Segunda Etapa da Revolução Industrial

A segunda etapa ocorreu no período de 1860 a 1900, ao contrário da primeira fase, países como Alemanha, França, Rússia e Itália também se industrializaram. O emprego do aço, a utilização da energia elétrica e dos combustíveis derivados do petróleo, a invenção do motor a explosão, da locomotiva a vapor e o desenvolvimento de produtos químicos foram as principais inovações desse período.

A Terceira Etapa da Revolução Industrial

Alguns historiadores têm considerado os avanços tecnológicos do século XX e XXI como a terceira etapa da Revolução Industrial. O computador, o fax, a engenharia genética, o celular seriam algumas das inovações dessa época.



OBJETIVO GERAL E ESPECIFICO

A Função da Ciência Historia no Currículo da Instituição

Taxonomia de Bloom



CONTEUDO NORTEADOR


Taxonomia de Bloom
Revolução Industrial
Didática e Metodologia





METODOLOGIA

Mesa redonda: slide  











RECURSOS DIDATICOS



Computador, slides, folha de plano de aula, quadro magnético e marcador de quadro




CRONOGRAMA



Data


Atividade


Carga Horária


22/10/1213
  

1-Leitura em Equipe




4hs




29/10/2013






2  atendimentos as equipes
1,2,3,4,5,6 e 7
2.1-Elaboração do projeto
Ação Folder slides




4hs





19/102313






4.Apresentação da 3º e 4º
Equipe.
4.1-Apresentação do tema
Sobre a gestão de sala de aula
4.2. Aplicação dos Recursos Didáticos
4.3. Debates;


4hs


IDEM






AVALIAÇÃO

Será feita uma pergunta: Como você entende o pensamento ideológico na Revolução Industrial? Você  acredita que foi uma resposta a opressão e exploração na sociedade capitalista?


ANEXOS


APENDICE

Anderson Fernando Silva
Diego Afonso silva Assunção
Franco Coutinho Lobato
Joabh Levy Silva de Carvalho
Joel Cabral Silva
Sebastião Pereira Viana Júnior



REFERENCIAS

http://www.educacao.ufrj.br/ppge/teses/Tese_Beatriz_Boclin.pdf



http://www.sohistoria.com.br/resumos/revolucaoindustrial.php